Gerações Encontram-se para Celebrar o Regresso da Equipa Benfiquista de Voleibol Feminino

O Sport Lisboa e Benfica, alinhando-se com a sua política de diversidade, apostou, mais uma vez, no desporto feminino. O clube vai voltar a contar com uma equipa feminina na modalidade de voleibol. Nuno Brites foi encarregue de servir como treinador.

Para marcar o começo de uma nova era, algumas das jogadoras da geração mais icónica do voleibol feminino em Portugal reuniram-se com o novo plantel de jovens talentosas que irá representar as águias.

Madalena Canha, Margarida Leite, Teresa Fernandes e Zé Maia estiveram à conversa com as novas apostas da modalidade, numa autêntica troca de histórias e experiências entre gerações.

As quatro ex-atletas fizeram parte da histórica formação conhecida como “as Marias do Benfica”, que conquistou nove campeonatos nacionais de voleibol consecutivos entre as temporadas de 1966/67 e 1974/75.

As Marias do Benfica

imagem artigo GeracoesEncontramseparaCelebraroRegressodaEquipaBenfiquistade AsMariasdoBenfica - Gerações Encontram-se para Celebrar o Regresso da Equipa Benfiquista de Voleibol Feminino

Em 1951, foi inaugurada a secção feminina de voleibol do Sport Lisboa e Benfica. Ao longo da década seguinte, a equipa e os treinadores foram ganhando capacidade física, técnica e competitiva. O objetivo era estruturar uma equipa campeã, o que veio a concretizar-se de forma bem mais gloriosa do que se antecipava.

 

Na época de 1963/64, deu-se a conquista do primeiro título, o Campeonato de Lisboa. Na altura, o então treinador Graciano Ferreira, que orientava o plantel há 11 anos e foi uma parte imprescindível do progresso das jogadoras, dizia acreditar que o grupo estava finalmente equipado com as armas necessárias para derrotar qualquer oponente.

 

Na temporada de 1966/67, depois de duas épocas em que os títulos lhes escaparam, as encarnadas iniciaram um ciclo lendário de triunfos nacionais. A hegemonia das benfiquistas em relação às adversárias era absolutamente inquestionável. Nessa temporada, perderam somente uma partida.

 

As Marias do Benfica, designação carinhosa que, entretanto, ganharam devido a várias das atletas terem o nome “Maria”, reclamaram todos os oito campeonatos seguintes, somando assim nove títulos nacionais consecutivos. Como se não bastasse, em 1972/73 e 1973/74, as águias venceram as duas primeiras edições da Taça de Portugal de voleibol feminino.

Não nos esqueçamos de que, à época, construir uma carreira assente exclusivamente no desporto era difícil, tanto para os homens, como, mais ainda, para as mulheres. Os atletas viam-se obrigados a conjugar o seu sonho com outras atividades laborais.

Das Marias do Benfica faziam parte médicas, professoras e profissionais das áreas das ciências e das letras. Algumas delas eram casadas e tinham filhos. Sendo assim, é ainda mais notório o tempo e o esforço que estas mulheres dedicavam à sua equipa, sem descurar os seus empregos e a sua vida familiar.

Não há dúvidas de que o excelente exemplo destas atletas é uma poderosa força motivadora para a nova equipa sénior de voleibol feminino do Benfica.

Para recomeçar, a formação lisboeta vai competir no terceiro escalão do país. A meta é subir rapidamente à segunda divisão.

3 Jovens Promessas Portuguesas do Hóquei em Patins

No ano passado, presenciámos a formidável evolução de vários jovens talentos europeus do hóquei em patins, tais como Vieirinha, Ignacio Alabart e Jordi Burgaya. Esses e outros nomes passaram de promessas para certezas absolutas do futuro da modalidade.

Agora, mais jovens estão a trilhar o mesmo caminho. Apresentamos três dos melhores jovens jogadores portugueses de hóquei em patins, nos quais será interessante mantermos a nossa atenção daqui para a frente.

Gonçalo Nunes

imagem artigo3JovensPromessasPortuguesasdoHoqueiemPatins GoncaloNunes - 3 Jovens Promessas Portuguesas do Hóquei em Patins

O tempo vai encarregar-se de tornar Gonçalo Nunes num grande nome internacional do hóquei em patins. Basta que a jovem promessa continue no caminho que está a traçar.

Gonçalo Nunes iniciou a sua formação no Paço de Arcos e já passou pelo Benfica. Atualmente, está ao serviço do Sporting. No entanto, por via de um empréstimo, tem defendido, durante a época corrente, a camisola do seu clube original, o Paço de Arcos.

Com apenas 19 anos, Gonçalo Nunes ocupa o terceiro lugar na lista dos melhores marcadores do campeonato nacional, um feito simplesmente impressionante. O Paço de Arcos deposita no jovem talento a maior porção das suas expectativas em manter-se na primeira divisão.

Com tudo o que Gonçalo Nunes já provou e tem o potencial de provar, é muito provável que o Sporting lhe guarde um lugar na equipa principal para a próxima temporada.

Pedro Batista

imagem artigo 3JovensPromessasPortuguesasdoHoqueiemPatins PedroBatista - 3 Jovens Promessas Portuguesas do Hóquei em Patins

Pedro Batista é um competente avançado e mostra ser uma autêntica máquina de golos. Desde tenra idade que Pedro Batista tem provado ser uma das maiores garantias para a qualidade futura do hóquei em patins em Portugal.

Os seus primeiros dias como jogador foram passados no Hóquei Clube de Turquel. Durante as três últimas épocas, enverga a cor encarnada pelo Benfica. Na temporada anterior, fez parte da formação das águias que se sagrou campeã nacional na secção de sub-20.

Na presente época, Pedro Batista integra o plantel da equipa italiana do HRC Monza, por empréstimo do seu clube lisboeta. Também em terras estrangeiras, a jovem promessa tem surpreendido staff, colegas e adeptos com as suas capacidades implacáveis de remate.

Pedro Batista é, no momento, o melhor marcador do HRC Monza, tendo colecionado 18 golos em 16 partidas, uma estatística verdadeiramente admirável.

Na próxima temporada, quer continue a jogar pelos italianos, quer garanta um lugar na seleção benfiquista principal, uma coisa é certa: qualquer grupo que possa contar com Pedro Batista deve considerar-se sortudo.

Gonçalo Pinto

imagem artigo 3JovensPromessasPortuguesasdoHoqueiemPatins GoncaloPinto - 3 Jovens Promessas Portuguesas do Hóquei em Patins

O jovem português Gonçalo Pinto é uma aposta segura do Benfica para o futuro da sua equipa de hóquei em patins. O jogador é um elemento completo e versátil da formação da capital, bem treinado para pautar pela excelência em diferentes aspetos do jogo.

Na época de 2016/2017, enquanto Gonçalo Pinto prestava os seus serviços à equipa B e à secção de sub-20, o treinador Pedro Nunes reconheceu o imenso talento do jovem e convocou-o para dois duelos no plantel principal.

Grato pela oportunidade, Gonçalo Pinto respondeu à aposta do técnico de uma forma que superou as expectativas, tendo marcado cinco golos.

Atualmente, Gonçalo Pinto encontra-se a colocar as suas habilidades à prova junto dos italianos do Amatori Lodi que, na verdade, são os campeões em título no país.

A promessa portuguesa joga lado a lado com craques estabelecidos como Alessandro Verona, Luís Querido e Giullio Cocco. Mas em vez de se sentir intimidado, Gonçalo Pinto é inspirado pela qualidade dos colegas a elevar a sua performance e firmar a sua importância para o conjunto.

O futuro assemelha-se risonho para qualquer um destes três prodígios lusitanos que orgulham os adeptos do nosso país!

13 Golfistas Portugueses Fazem Parte dos Melhores do Portugal Pro Golf Tour

São 13 os golfistas portugueses que fazem parte do grupo de 54 jogadores que, em março, vão disputar o campeonato do Portugal Pro Golf Tour em Troia. A competição é conhecida como o PPGT Tour Championship.

O atual campeão nacional, Tomás Silva, está integrado no grupo, assim como os ex-campeões Hugo Santos e Tiago Cruz. O trio será acompanhado por golfistas portugueses que atuam em diversos circuitos prestigiados.

Entre os nomes encontram-se João Carlota, Tomás Bessa, Tiago Rodrigues, Francisco Oliveira e João Ramos. Este último é, na verdade, o melhor jogador português no Portugal Pro Golf Tour, uma vez que terminou a temporada de 2018/2019 ocupando a terceira posição da tabela.

Estamos a falar de um dos torneios de golfe mais importantes a nível internacional. Os 54 talentos são originários de sete nações europeias, Portugal, Inglaterra, Irlanda, Escócia, País de Gales, Países Baixos e Suécia.

Os participantes vão defrontar-se com o objetivo de alcançar o cobiçado prémio de 20 mil euros. Geralmente, a quantia monetária oferecida ao vencedor das competições do circuito é de 10 mil euros.

golf 1024x682 - 13 Golfistas Portugueses Fazem Parte dos Melhores do Portugal Pro Golf Tour

Entre novembro de 2018 e março de 2019 foram realizados 21 torneios do circuito em Portugal, a maioria deles no Algarve. Troia vai, sem dúvida, apresentar desafios entusiasmantes aos jogadores naquela que é a fase concludente da tour. O fabuloso Troia Golf Resort é o local perfeito para os momentos decisivos.

O melhor prémio do PPGT Tour Championship é composto por cinco convites para eventos do campeonato Challenge Tour, o segundo mais importante na Europa.

Este prémio será atribuído ao golfista que obtiver a melhor classificação no Tour Championship, não querendo isso necessariamente dizer que os convites cairão nas mãos do vencedor da prova. De facto, é obrigatório que o jogador tenha chegado à derradeira fase entre os 50 primeiros lugares da tabela do PPGT.

Olhando para o grupo dos 13 portugueses, podemos concluir pelas estatísticas que uns jogadores apresentam probabilidades mais altas de vencer do que outros. Mas, como em qualquer desporto, as surpresas não são assim tão raras. E isso é particularmente verdade no que toca ao golfe.

Ao longo dos torneiros da época, nove dos 13 golfistas atingiram classificações dentro do top 10. São eles Hugo Santos, com seis; João Ramos e Tomás Melo Gouveia, com cinco; Tomás Bessa, com quatro; João Carlota, Miguel Gaspar, Tiago Cruz e Tomás Silva, com três; e, finalmente, Vítor Lopes com duas.

Todavia, se restringirmos a seleção aos lusitanos que venceram torneios do Portugal Pro Golf Tour em 2018 ou 2019 ficamos com dois destaques para a conquista final: Tomás Bessa e Miguel Gaspar.

Os 6 Melhores Jogadores Portugueses de Futsal Desde 2000

O talento demonstrado pelos portugueses na história do futsal luso ao longo das décadas tem sido absolutamente inegável. Estes seis icónicos jogadores foram os que mais contribuíram para a qualidade da modalidade em Portugal desde 2000.

Ricardinho

Qualquer top deste género que não inclua Ricardinho pelo menos no pódio está simplesmente incorreto. Ricardinho é considerado o melhor do mundo atualmente, e até mesmo um dos melhores jogadores de futsal de sempre.

Os títulos individuais e coletivos têm vindo a acumular-se no seu historial, e Ricardinho não mostra sinais de abrandar. Hoje, este raro talento coloca as suas habilidades ao dispor do Inter Movistar, de Madrid.

Ricardinho tem 32 anos, o que significa que ainda tem pela frente alguns anos para expandir o seu domínio e impressionar cada vez mais os entusiastas da modalidade a nível internacional.

Arnaldo Pereira

No currículo de Arnaldo Pereira está incluído o maior número de internacionalizações entre todos os jogadores portugueses de futsal na história, com 208.

O empenho e a paixão que o jogador inspirava na formação lusa era realmente impressionante. Uma das figuras mais marcantes e acarinhadas do futsal em Portugal, Arnaldo Pereira contribuiu para a conquista da UFC pelo Benfica, assim como para a presença do plantel nacional na final do Europeu de 2010.

Agora, o prodígio está em fim de carreira, a jogar por um clube da segunda divisão em Itália. Na época passada, Arnaldo Pereira viveu a experiência de ser treinador, tendo orientado os jovens talentos da equipa sub-20 do Futsal Azeméis.

João Benedito

João Benedito será sempre conhecido como o eterno guarda-redes do clube verde e branco, um jogador adorado pelos adeptos sportinguistas.

Para João Benedito poder gozar dessa excelente reputação no mundo do futsal, contribuiu não só a qualidade das suas performances à baliza, consistentemente magistrais, mas também o seu lado humano e afetuoso, amplamente apreciado pelos fãs da modalidade, e não só dos leões.

Desde 2016, João Benedito está afastado do futsal competitivo. Até mesmo recusou um convite para fazer parte da estrutura do Sporting. No entanto, esse é um projeto que o jogador pretende concretizar daqui a alguns anos.

João Matos

Este é um dos casos da lista nos quais o jogador em questão está ainda no auge da sua carreira, a dar tudo em campo. João Matos coloca os seus talentos à prova pelo Sporting e é uma das escolhas imprescindíveis do treinador do plantel nacional.

Desde o início da sua carreira que João Matos se mantém na equipa leonina, provando assim a sua inabalável devoção ao clube. Soma já 119 partidas ao serviço da seleção portuguesa de futsal.

Pedro Costa

Pedro Costa foi um dos jogadores mais fundamentais para a conquista da UFC em 2010. Em todos os duelos, lutava afincadamente de cada vez que recebia a bola.

A mesma atitude em relação ao jogo levou Pedro Costa a ser também uma parte extremamente importante do caminho da seleção portuguesa rumo ao confronto final do Campeonato Europeu no mesmo ano.

Pedro Costa acumulou 119 internacionalizações pela formação das quinas. Atualmente, já não joga, mas está a treinar a equipa japonesa dos Nagoya Oceans.

Gonçalo Alves

Gonçalo Alves passou pelos dois principais clubes da capital lusitana, o Sporting e o Benfica. Passou 11 anos em campo pela equipa encarnada, sendo que, durante seis, serviu como capitão do grupo.

Foi na última temporada, aos 39 anos, que Gonçalo Alves terminou a sua carreira como jogador. No entanto, continua a trabalhar a par com as águias como manager da equipa de futsal.

Quer ainda joguem ou quer estejam já afastados do desporto, estas seis figuras serão para sempre lembradas de uma forma especial na história do futsal português.

Um Jogador Português de Andebol Morreu no Seu Primeiro Treino de Regresso

André Campos, um jovem português de 23 anos, tinha acabado de concluir os seus estudos universitários num mestrado em Bioquímica.

Tinha prometido à sua equipa de andebol que voltaria à modalidade assim que terminasse o curso. O seu clube era o São Paio de Oleiros, uma vila no concelho de Santa Maria da Feira.

Durante o seu primeiro treino de regresso, André e os colegas fizeram uma pausa para escutar o treinador quando, repentinamente, o jovem caiu inanimado devido a um ataque cardíaco fatal.

Carlos Malta, o presidente do clube de São Paio de Oleiros, ainda se encontra incrédulo. Afirma que a morte de André é simplesmente lamentável.

O jogador era um jovem educado, cumpridor e sociável, que contribuía sempre para um bom ambiente onde quer que estivesse. O desejo que o presidente expressou foi o de que os familiares e os amigos consigam ser corajosos perante uma situação tão dolorosa.

andebol 1024x681 - Um Jogador Português de Andebol Morreu no Seu Primeiro Treino de Regresso

O alerta do incidente foi dado por volta das 21h. Durante mais de meia hora, um dos atletas, um diretor do clube e o pai de um jogador tentaram reanimar André Campos. Os três homens tinham conhecimentos de primeiros socorros.

Só depois chegou ao pavilhão a equipa de emergência do Hospital de Santo António, no Porto. O atleta regressado encontrava-se em paragem cardiorrespiratória. As manobras de reanimação não foram bem-sucedidas, e André foi dado como morto no próprio local.

A GNR de Lamas foi chamada e o corpo acabou por ser transportado pelos Bombeiros de Lourosa para ser realizada a autópsia.

André Campos era membro de uma família acarinhada de Vila Nova de Gaia. Não é de admirar que as redes sociais tenham sido inundadas de comentários de lamento e homenagem.

Tudo aparentava que o futuro do jovem atleta seria promissor e que André alcançaria grandes feitos tanto nas ciências, como no desporto. As cerimónias fúnebres foram realizadas em Vila Nova de Gaia, o seu conselho de residência.

Conheça o Jovem Português que Está a Brilhar no Basquetebol Universitário Americano

Neemias Queta é um jovem basquetebolista português de 19 anos que joga para os Utah State, uma equipa universitária da modalidade nos Estados Unidos. É natural do concelho do Barreiro, no distrito de Setúbal, e mede 2,11 metros. Sim, leu bem.

Assim como a esmagadora maioria dos basquetebolistas na América, o sonho de Neemias é atingir o mais alto escalão do basquetebol a nível mundial, o campeonato da NBA.

Não falta quem acredite que Neemias tem tudo para alcançar essa meta. Alguns dos apoiantes que expressaram abertamente essa convicção incluem António Paulo, o treinador que promoveu o jogador ao Barreirense; Miguel Minhava, ex-basquetebolista; e Paulo Silvestre, ex-responsável da equipa do Barreiro.

As estatísticas de Neemias Queta são surpreendentes, especialmente tendo em conta que se tornou apenas recentemente um membro dos Utah State. Parece que a adaptação foi imediata. Como seria de esperar, os fãs americanos estão extremamente impressionados e já começam a criar expectativas ambiciosas quanto ao futuro do jovem.

O seu ex-treinador, António Paulo, que o recebeu no Barreirense há menos de 2 anos, considera que a rapidez da evolução de Neemias é simplesmente inacreditável. Considera que o jogador reúne todas os critérios para chegar ao draft.

Foi apenas há alguns meses, em setembro de 2018, que Neemias Queta fez as malas e mudou-se para o estado do Utah com uma bolsa de estudos.

jogador basquetebol 1024x680 - Conheça o Jovem Português que Está a Brilhar no Basquetebol Universitário Americano

Agora, o tempo de Neemias é quase totalmente ocupado com as aulas, os treinos e os jogos. E tão rapidamente como a sua vida mudou em setembro passado, poderá, em breve, mudar novamente. O draft é um evento da NBA que se realiza todos os anos, no qual as equipas da liga podem recrutar novos elementos. E as decisões aproximam-se.

Os adeptos de equipas como os New York Knicks e os Cleveland Cavaliers têm participado em campanhas no Twitter para incentivar as equipas a escolher Neemias Queta.

Esta atitude é inesperada, particularmente levando em consideração que os fãs americanos costumam, quase exclusivamente, advogar pelo recrutamento de jogadores do país. A sua admiração por Neemias é apenas uma das provas do talento do jovem português.

2019 afigura-se um ano repleto de novas etapas e alegrias na carreira promissora de Neemias. Teremos de continuar a acompanhar para descobrir.

O que Esperar dos Principais Encontros do Calendário da Seleção Portuguesa em 2019

Já são sabidas as datas e as paragens no calendário da seleção portuguesa de futebol para 2019. A adrenalina e a emoção estão garantidas, uma vez que este é o ano em que se realiza o apuramento para o Campeonato Europeu de 2020.

Como se não bastasse, em junho, a seleção nacional e os adeptos vão poder viver uma nova aventura graças à recentemente implementada Liga das Nações.

O primeiro semestre

imgaem artigo OqueEsperardosPrincipaisEncontrosdoCalendáriodaSelecaoPortuguesaem Oprimeirosemestre - O que Esperar dos Principais Encontros do Calendário da Seleção Portuguesa em 2019

Durante o primeiro semestre de 2019, Portugal defrontará quatro equipas nacionais. Curiosamente, todas as partidas serão disputadas em território luso. A primeira chega em março e representa o começo do caminho rumo ao Europeu de futebol do próximo ano.

O plantel português é o cabeça do grupo B para o apuramento. E será logo nas duas primeiras jornadas que Portugal fará frente aos principais adversários do conjunto, as seleções ucraniana e sérvia.

A Ucrânia tem manifestado recentemente uma conjuntura futebolística em novo reflorescimento, após os resultados do país terem sido, durante algum tempo, negativamente afetados pelo quadro político vivido no território.

Ainda assim, clubes como o Shakhtar Donetks têm produzido performances bastante satisfatórias. E são já catorze os elementos da equipa, ou que por ela passaram, a serem convocados para a formação ucraniana de 2019.

Quanto à Sérvia, as palavras de ordem são combate e emoção. A seleção nacional joga de uma forma verdadeiramente zelosa e apaixonada.

Embora o plantel sérvio não tenha, ao longo dos anos, chegado aos patamares que desejaria, o facto é que o conjunto de jogadores de que dispõe está equipado de capacidades impressionantes. Mesmo que o resultado final seja a derrota, o grupo garante, vez após vez, que a vitória da equipa adversária seja suada.

Na Liga das Nações, a Sérvia começou na Divisão C. Porém, foi sendo promovida, nomeadamente pelas performances de jovens talentos como Aleksander Mitrovic e Andrija Zivkovic, uma dupla poderosa de finalizações e assistências.

Liga das Nações

imagem artigo OqueEsperardosPrincipaisEncontrosdoCalendáriodaSelecaoPortuguesaem LigadasNacoes - O que Esperar dos Principais Encontros do Calendário da Seleção Portuguesa em 2019

A 5 de junho, o Estádio do Dragão recebe o jogo de abertura de uma grande competição internacional, a Final Four da Liga das Nações.

As memórias de duelos entre seleções não são as melhores na cidade invicta. Em 2004, foi no Estádio do Dragão que a Grécia inaugurou a sua dupla de vitórias sobre Portugal no Europeu por 2-1, tendo sido a segunda delas a final do campeonato.

Em 2019, a seleção portuguesa terá a oportunidade de iniciar um novo ciclo de conquistas históricas no Porto quando defrontar a Suíça em junho. A seleção suíça não é particularmente fácil de combater.

Mas Portugal entrará em campo como o inegável favorito, uma vez que chegou a esta fase da competição com 100% de aproveitamento. Será que a seleção nacional vai assegurar a sua presença na final da Liga das Nações, decidida a 9 de junho, também no Dragão?

O roteiro da seleção portuguesa para 2019 tem várias paragens importantes para acompanhar. Temos confiança de que Portugal conseguirá preencher o calendário com vitórias e momentos surpreendentes, para assim continuar a reforçar o seu estatuto privilegiado no futebol mundial.